Enquanto isso, na prateleira de sociologia

“Falar dos centros e das novas centralidades é, de modo geral, um exercício perigoso pois evidentemente não há um único modelo de desenvolvimento das cidades – o que é positivo por muitas razões. Podemos, entretanto, alimentar algumas inquietações em relação ao futuro, pois efetivamente, ao viajar de um país para o outro, de um continente para o outro, encontramos em todos os lugares, (…) as mesmas lojas de departamentos, os mesmo fast-food, as mesmas arquiteturas, o mesmo modelo de vestir e até mesmo as mesmas atitudes e preocupações.”

Os Centros das Metrópoles, Ruth Cardoso (Org.). Imprensa Oficial.

“Esse processo de especulação imobiliária e as políticas habitacionais mais voltadas aos interesses das grandes empreiteiras, imobiliárias e instituições financeiras do que para as necessidades da coletividade, são os grandes responsáveis pela exclusão da maioria do povo, de comprar terra, edificar sua casa e mesmo morar como inquilino em condições mais dignas de um ser humano.”

Metrópoles, Cidadania e Qualidade de Vida. Júlia F. Alves, Editora Moderna.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s